quarta-feira, 3 de junho de 2009


Como é martirizante a sensação de insegurança! Ah se não fossem as lembranças! Ainda melhor, se não fossem os fatos passados! Diga-me, com todas as sílabas, pra que serve a dilaceração de relações perfeitas? Por que quando não há do que reclamar, o ser humano insiste em avetalhar todas as laudas escritas? Que maldito prazer de maliciar o certo, de viver no imperfeito! Ora! Como alguém consegue ser tão funesto a ponto de destruir toda a confiança criada ao longo das primaveras? Que infortúnio! De indignação, por tempos aleatórios é, o estado em que me encontro!

Segurança, bata novamente à minha porta! Estou lhe esperando com o mais apetitoso dos banquetes da forma mais acolhedora e convidativa possível!Não precisa ligar dizendo que vem, não exijo muito! Só lhe peço, por favor, que não demore e que traga-me de volta o tempo em que, dentro de mim, havia motivo pra tudo e tudo era motivo pra mais.

4 comentários:

Mih disse...

texto lindo. Vc que fez?

:*

Michele disse...

Leett, que liiinda sua postageeemm

Mih disse...

Wow ! Parabéns por escrever bem o/ eu tbm adoro escrever,mas n publicar (não por agora). Qualquer dia te mostro um texto meu.

Obg por comentar,viu? Dps me passa seu msn? (:

Luiza de Oliveira. disse...

Detesto insegurança... Mas to aprendendo a controlar isso, já era hora.

Você escreve muuuuuuito bem *-*

Um beijo!